domingo, 22 de outubro de 2017

Caixa de Pandora

Os eleitores das duas regiões mais ricas do norte da Itália, a Lombardia e Veneto, estão votando hoje em referendos para uma maior autonomia de Roma. Se o resultados lhes for de feição poderá despoletar as tensões regionais na Europa num momento em que a vizinha Espanha tenta impedir que a Catalunha se separe. A Lombardia, que inclui  Milão e o Veneto, que abriga a potência turística de Veneza, abrangem cerca de um quarto da população da Itália e representam 30% da economia italiana, a terceira maior da Zona Euro. Tal como a Catalunha,  reclamam que pagam muito mais nos impostos do que recebem. A Lombardia envia mais de 54 biliões em impostos para Roma do que recupera os gastos públicos. A contribuição líquida do Veneto é de 15,5 biliões. As duas regiões são dirigidas pelo partido Liga Norte, abertamente separatista, que espera que o resultado lhe dê um mandato para negociar melhores negócios financeiros com Roma. A Liga do Norte foi criada na década de 1990 para fazer campanha pelo o estado independente de "Padania" que se estende por todo o norte da Itália. Já não fala de separação, mas argumenta que os impostos que o norte envia para Roma são desperdiçados pela ineficácia da burocracia nacional. Querem mais poderes em áreas como segurança, imigração e meio ambiente. "A Lombardia e o Veneto têm duas administrações eficientes e os serviços públicos funcionam bem, muito melhor do que nas outras regiões italianas ... por isso acho que vale a pena pedir uma maior autonomia" disse Massimo Piscetta à Reuters. "Os nossos impostos devem ser gastos aqui, e não na Sicília", afirmou Giuseppe Colonna, uma veneziana de 84 anos, falando com a AFP.  O economista Lorenzo Codogno considera que, apesar da unidade italiana não estar sob ameaça, "o domingo poderia marcar a abertura de uma caixa de Pandora ".

The Cult


Harmony Korine

Para a sua primeira retrospectiva em França, o cineasta, pintor, escritor e crítico da juventude americana terá uma visão geral de todos as suas curtas, longos metragens bem como anúncios e outros clips que ele fez ao longo dos anos. A "Harmony Korine Retrospective" encontra-se no Centre Pompidou até 5 de Novembro, inserida no Festival d`Automme.

Camille Henrot

A artista francesa Camille Henrot apresenta até de Janeiro a exposição "Days Are Dogs" no Palais de Tokyo, em Paris. É uma investigação centrada em torno de uma das estruturas mais fundamentais de nossas vidas que são os dias da semana. Enquadra-se no programa Carte Blanche que já foi assumido por Philippe Parreno em 2015 e Tino Sehgal em 2016, permitindo aos artistas fazerem uma grande intervenção naquele espaço de exposição com 13.000 metros quadrados. Camille Henrot participou na Bienal de Veneza de 2013 com o filme Grosse Fadigue. Vive e trabalha em Nova Iorque. E representada pela galeria Metro Pictures.

Urs Fischer

A Gavin Brown`s Enterprise de Nova Iorque apresenta uma exposição de Urs Fischer na igreja Sant'Andrea de Scaphis, em Roma. Com uma única obra. A escultura de grande dimensão com o nome de Bliss, realizada em plasticina. Tem quase três metros de altura e representa o busto de uma mulher cujo rosto está virado para o altar, ocupando o centro do templo que foi alugado por Gavin Brown em 2014. A peça está destinada a ser progressivamente transformada por intervenções dos visitantes, já que o público é livre para remodelar a superfície branca da escultura. A expressão estática da mulher, com os olhos fechados e a boca ligeiramente aberta num sorriso suave, transmite quase um convite à participação. Como em inúmeras outras obras passadas, o processo criativo do artista suíço apela à transformação dos materiais, potenciando imagens abertas que podem ser constantemente redefinidas e regeneradas.

Carrol Dunham

No dia 26 de Outubro é lançado no Whitney Museum de Nova Iorque o livro Into Words: The Slected Writings do artista plástico Carrol Dunham, cujo trabalho tem siso objecto de inúmeras exposições individuas. Em 2 de Novembro terá lugar uma conversa no Metrograph Theatre, no Lower East Side, entre Carrol e a sua filha que é a escritora e cineasta Lena Dunham da série Girls. Depois será exibido um dos filmes favoritos filmes da família Dunham. Trata-se do épico de ficção científica Strange Days (1995) realizado por Kathryn Bigelow.

Thom Browne

A colecção de Spring/Summer 2018 do designer americano Thom Browne, apresentada da semana da moda de Paris, foi captada num vídeo de Christian Coppola.

Peter Saul


Até 4 de Novembro a Mary Boone Gallery de Nova Iorque (Chelsea) apresenta a exposição Fake News do artista Peter Saul em que como dizia Jerry Saltz "assume o actual presidente dos Estados Unidos como uma arma artística de destruição em massa". Trump aparece numa das pinturas como uma lesma pegajosa no meio de um furacão. Há algo de estranho e persistente na imagens emaranhadas e alucinogénas de Peter Saul que se centram nos comentários sociais ou em figura recorrentes como Ronald Reagan, Estaline ou Nixon. Nos anos 60 eram claramente anti-Guerra do Vietname. Este artista,nascido em San Francisco em 1934, nunca foi um herói da esquerda liberal, ao contrário de Leon Golub, provavelmente porque o seu trabalho não tinha uma mensagem moral clara. Faz o possível por não ser politicamente correcto. Recentemente, os artistas mais jovens que procuram um modelo para abordar os dilemas da vida e da política contemporâneas manifestaram um renovado interesse por ele. Em 2015, a galeria Venus Over Manhattan, fundada pelo magnata Adam Lindemann, apresentou a exposição "Peter Saul: Do Pop ao Punk". Actualmente está na FIAC de Paris com obras deste artista. que parece fazer trips de ácido.

sábado, 21 de outubro de 2017

Uranium One

O caso não é novo, mas as revelações do jornal The Hill, publicadas na terça-feira, confirmam as alegações apresentadas no livro Clinton Cash, escrito pelo jornalista de investigação Peter Schweizer, relativo ao agitado financiamento da Fundação Clinton. Sob a presidência de Barack Obama, a então  então Secretária de Estado Hillary Clinton, aprovou uma transacção que deu à Rússia, através da empresa Rosatom, o controle da empresa canadiana Uranium One responsável por 20% das entregas de urânio para os Estados Unidos. Até o New York Times denunciou em 2015 as generosas doações feitas à Fundação Clinton como resultado desse negócio. Mas o Hill revela que, quando a transacção foi aprovada, o FBI já estava ciente de um enorme sistema de subornos, extorsão e lavagem de dinheiro criado para permitir que a Rússia liderada por Vladimir Putin entrasse no mercado de energia nuclear dos EUA. Há dois dias a Newsweek titulou "a investigação sobre o urânio da Rússia: Porque é que Clinton, Obama e Mueller estão no centro de uma nova polémica. Antes que o acordo fosse negociado em 2009, o FBI sob a direcção de Robert Mueller - que agora é conselheiro especial na investigação da Rússia em potencial colisão com a campanha Trump - iniciou uma investigação sobre corrupção e extorsão de altos funcionários de uma empresa propriedade do governo russo. De acordo com os esclarecimentos divulgados pela The Hill em 2009, o FBI encontrou provas suficientes para sugerir que Vadim Mikerin, que liderou a filial da Rosatom, era corrupto e os altos funcionários da Rosatom conheciam o seu esquema de suborno. Em 2014, ele se declarou culpado num processo judicial dos EUA por orquestrar mais de 2 milhões de dólares em pagamentos de subornos através de contas sombrias em Chipre, Letónia e Suíça. Agora, o presidente do Comité Judiciário do Senado, Chuck Grassley, anunciou uma investigação sobre o acordo durante uma audiência na quarta-feira com o procurador-geral Jeff Sessions.

Solange


FIAC Paris

Está a decorrer até amanhã no impressionante cenário arquitectónico do Grand Palais de Paris a FIAC (Feira de Arte Contemporânea) que já registou um significativo fluxo de vendas. A galeria portuguesa Pedro Cera também lá está com os artistas Adam Pendleton, Antonio Ballester Moreno e Miguel Branco. As galerias optaram pelo grande espectáculo. É o caso do artista Raqib Shaw que apresenta uma instalação de papel de parede na Pacce Gallery, ao lado de uma escultura de árvores com parte da iconografia neoclássica do artista. A última foto é de um trabalho da francesa Camille Henrot que se encontra na Metro Pictures.

Stanley Whitney

A Lisson Gallery de Nova Iorque apresenta uma exposição com o título de Drawings do artista Stanley Whitney que iniciou a temporada de arte com uma impressionante exibição de desenhos e obras  pequeno formato. O seu trabalho centra-se numa impressionante intersecção de técnicas que se inscrevem na evolução da abstracção americana. Coloca um ênfase especial na vida entre as linhas e os limites rígidos. É disso que depende a energia pictórica do seu jogo artístico.

Assassinato de JFK

O presidente Trump anunciou hoje no Twitter que permitirá o lançamento de mais de 3.000 documentos classificados do FBI, da CIA e do Departamento de Justiça sobre o assassinato de John F. Kennedy. O anúncio inesperado significa que um número de documentos anteriormente não vistos será divulgado pelos Arquivos Nacionais até 26 de Outubro. Os estudiosos do caso JFK esperam que os novos documentos possam fornecer informações sobre a viagem de Lee Harvey Oswald ao México, semanas antes do assassinato, em que visitou as embaixadas soviética e cubana. O motivo declarado de Oswald foi para obter vistos que lhe permitiriam entrar em Cuba e na União Soviética, de acordo com a Comissão Warren, o órgão de investigação estabelecido pelo presidente Lyndon B. Johnson. Entre outras informações protegidas previstas para divulgação, há detalhes sobre os acordos que os EUA assinaram com o governo mexicano que permitiram a vigilância de outras embaixadas. Mas muitos especialistas temem que uma versão tão grande de documentos secretos do assassinato JFK estimule "novas teorias de conspiração". De acordo com o Politico alguns funcionários do governo Trump estavam preocupados que alguns dos documentos, criados na década de 1990, contivessem informações sobre os recentes programas de inteligência dos EUA e não possam ser divulgados. A CIA está exortando Donald Trump a adiar a divulgação de alguns dos arquivos por mais 25 anos. "Mike Pompeo, o director da CIA pressionou o presidente furiosamente para não liberar esses documentos. Por quê? Porque acredito que mostram que Oswald foi treinado, nutrido e posto em prática pela Central Intelligence Agency", afirmou o consultor politico Roger Stone.

Donald J. Trump ✔@realDonaldTrump
Subject to the receipt of further information, I will be allowing, as President, the long blocked and classified JFK FILES to be opened.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

O Big Tech

Há uma fervorosa militância sobretudo de esquerda contra Silicon Valley. Mas os meios de comunicação e os formuladores de políticas estão se concentrando cada vez mais na crescente influência social das empresas de plataformas. Farhad Manjoo, colunista de tecnologia do New York Times apelidou de "Frightful Five": Amazon, Apple, Facebook, Microsoft e Alphabet, a empresa-mãe do Google. Estes titãs da tecnologia têm aumentado os seus esforços de relações públicas e de lobby em Washington. Mas a oposição é apenas um fenómeno de elites. Noam Cohen publicou um artigo no NYT intitulado "Silicon Valley não é seu amigo", chamando a atenção para a "riqueza e poder extremos do Big Tech". Mas a maioria dos americanos, segundo as sondagens, têm uma opinião amigável. "Washington não abafou os megabanks. Mas, de alguma forma, pode quebrar ou regulamentar fortemente o Big Tech - o que, como Wall Street, é politicamente poderoso e economicamente crítico, mas também bastante popular". (Via The Week)

Aztec Camera


Revistas dos sessenta


É o 50º aniversário do Verão do Amor", dizem Barry Miles e James Birch, curadores da nova exposição, The British Underground Press dos anos sessenta ."Queríamos mostrar que a dissidência era possível e incentivar os jovens a lutar contra Brexit e Trump, por exemplo - para mostrar que você pode fazer isso fora do sistema". A exposição da dupla, que está em exibição na Galeria A22 de Londres, reúne as publicações mais subversivas da contracultura da década. Um desafio ao status quo. Pouco eficaz, diga-se. Foi tudo absorvido e deglutido. Eu ainda tendo dois ou três números da revista OZ que durou seis anos. As outras foram comidas pela traça ou ficaram com as páginas coladas devido à humidade da Foz do Arelho.

A imagem


A modelo Selena Forrest, fotografada por Craig Mc Dean para a Dior Couture.

The Smiths


Picasso e Maya

A Gagosian Gallery de Paris apresenta até 22 de Dezembro uma exposição intitulada Picasso and Maya: Father and Daughter que é comissariada por Diana Widmaier Picasso, a neta do artista e filha da sua primeira filha. Maya, agora com 82 anos, contribuiu com cartas, fotografias e objectos pessoais para a exposição. "A minha mãe foi muito generosa e muito aberta", disse a curadora. Maria de la Concepción, conhecida como Maya, nasceu em 5 de Setembro de 1935. Durante os dez primeiros anos de sua vida, foi um assunto constante nos desenhos e pinturas do pai que observava com fascínio e ternura o seu desenvolvimento físico e mental. Vemos uma foto de Picasso com os três filhos (Maya, Claude e Paloma na praia. Golfe-Juan, 1953. Captada por Edward Quinn.

Dan Loeb em alta

Dan Loeb entrou em 2017 em alta, certamente muito mais do que a maioria dos seus pares de hedge funds, e até agora valeu a pena. Como ele escreve na última carta trimestral aos investidores onde relata os seus retornos de Q3 e YTD (de 3,4% e 14,5%, superando os 14,2% de S & P),"a grande surpresa para os mercados nos últimos doze meses não foram eventos políticos como o Brexit ou a eleição de Trump, mas o grau e a amplitude das actualizações do PIB global, conforme mostrado na tabela abaixo". E sublinha: "As revisões globais do PIB numa base de trânsito de 12 meses são positivas pela primeira vez desde a crise do soberano europeu em 2011. Eles alimentaram um aumento dos mercados de acções com base em resultados, em oposição a um movimento múltiplo, especialmente nos mercados alavancados para actualizações de crescimento. Acreditamos que os EUA têm espaço para liderar em relação ao resto do mundo a partir daqui e enquanto aumentamos a exposição à Europa em geral neste ano, principalmente por meio de nosso investimento substancial na Nestlé, a maioria do nosso portfólio permanece nas acções dos EUA". Olhando para o futuro, Loeb prevê que apenas um "choque exógeno" como uma recessão pode matar a alta, embora com optimismo, afirme que o risco de recessão é baixo.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

CIA demite Lulu

Um cão com o nome de Lulu foi "demitido" da Agência Central de Inteligência por não demonstrar interesse pela actividade. "Para os nossos treinadores é importante que os cães gostem do seu trabalho. Às vezes os filhotes deixam claro que a detecção de artefactos explosivos não é para eles". A CIA comunica que, depois de semanas de treino, Lulu perdeu o interesse em buscar artefactos explosivos. Nem sequer a comida e os jogos o motivavam. "Vamos ter saudades de Lulu, mas esta foi a decisão correcta. Desejamos tudo de melhor na sua nova vida", afirma o comunicado da CIA.

Ameaça MI5

O canal Telegram do Estado pró-islâmico (IS) fez uma ameaça implícita ao Serviço de Segurança Britânico MI5 e ao seu director-geral, Andrew Parker, dizendo que tanto ele como a agência são um potencial "próximo alvo" de ataque.

Ataques anarquistas

"Dezenas" de ataques a agências bancárias e caixas electrónicos em Madrid foram reivindicados por anarquistas não identificados.

A imagem

É uma imagem da polaca Weronika Gesicka que, depois de estudar na Academia de Belas Artes de Varsóvia, centrou-se na fotografia. Gosto da ambiguidade dos seus projectos.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

H&M queima roupas

A marca fast-fashion H&M foi acusada num programa da TV dinamarquesa intitulado “Operation X” de queimar a produção de roupas excedentes. A investigação dos jornalistas levou-os a uma empresa de eliminação de resíduos chamada Kara/Noveren, onde 30.000 calças jeans com etiqueta foram entregues para incineração. E outra investigação descobriu que a empresa tinha queimado 60 toneladas de vestuário novo da H&M desde 2013. Ou seja, 12 toneladas por ano. Segundo a porta-voz da gigante de moda, "as roupas apresentadas no programa são ordens interrompidas que foram enviadas para incineração por causa do molde ou porque não cumprem restrições químicas rigorosas" e acrescentou que as calças tinham uma grande quantidade de chumbo. A “Operation X” conseguiu dois pares de calças que iam ser queimados e comprou dois modelos da loja para serem avaliados e comparados em laboratório. Afirmaram que nenhuma das peças testadas apresentava vestígios de mofo e que o nível de chumbo encontrado nas calças que vieram da empresa de resíduos era de apenas 1/10 do valor limite permitido, até menor do que o percentual do chumbo das outras duas. A H&M rebateu dizendo que os testes realizados pelo programa de TV diferem dos seus e que seguem normas de segurança para preservar os seus clientes. Mas, vale a pena lembrar, que a marca já foi acusada em 2010 de cortar e despejar no lixo milhares de sacolas de roupas em Nova Iorque. 

Bonecas Sexuais

O site de notícias Business Insider de Nova Iorque reportou a "miséria sexual" altamente lucrativa dos chineses com a efémera criação de um aplicativo de TI que oferece bonecas sexuais em tamanho humano e vagina artificial. São alugadas em Pequim a 45 dólares por dia com depósito de segurança de 1.200 dólares. A história reflecte apenas uma pequena parte dessa indústria na China, favorecida pelas trágicas manipulações demográficas do regime. A empresa, lançada por um certo Ta Qu, assegurou aos "usuários" que as bonecas foram lavadas após cada uso. Mas o golpe de espírito do empresário rapidamente colidiu com a censura e a sua actividade foi interrompida rapidamente por ordem das autoridades depois que a história se espalhou na web. Dois funcionários foram presos em Pequim por organizarem um evento promocional que consistia em colocar bonecas em pé no Metro e num centro comercial. A empresa, acusada de "actividades indecentes" foi multada em vários milhares de yuans. Mas continua a vender bonecas. De acordo com o jornal Global Times, cerca de 65% dessas bonecas são compradas por jovens de 18 a 29 anos. O uso de brinquedos sexuais - e não apenas bonecos - se espalhou na China num nível muito maior do que no Ocidente, incentivado não apenas pelo desequilíbrio demográfico entre homens e mulheres, mas também por migrações internas maciças, principalmente de homens. "O sofrimento emocional e sexual é flagrante no Ocidente impulsionado pela pornografia, hedonismo e narcisismo. Também se está espalhando na China, um país imenso dividido entre o dirigismo malthusiano do comunismo totalitário e a pressão do consumismo materialista".

Horsepower


Jornalista assassinada


Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, vai oferecer 20 mil euros a quem entregar informações que condenem os assassinos de Daphne Caruana Galizia, uma jornalista de investigação que morreu na segunda-feira num ataque de carro bomba em Bidnija, Malta. Com 53 anos tinha um dos blogues mais populares de Malta, o Running Commentary, e possuía ligações à WikiLeaks. Foi uma das envolvidas na investigação dos Panama Papers e trouxe ao leitor dezenas de escândalos de corrupção no país natal. A polícia de Malta abriu uma investigação sobre o assassinato. "O que aconteceu hoje  é inaceitável. È um dia negro para a nossa democracia e a nossa liberdade de expressão", disse o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat. "Não vou descansar enquanto não for feita justiça", sublinhou. Dias antes, a jornalista tinha apresentado uma denúncia sobre o recebimento de ameaças de morte, de acordo com o jornal Times of Malta.

A imagem

A natureza incendiária do vermelho. É a cor do sangue e dos angry men. "O vermelho protege-se. Nenhuma cor é tão territorial. Aposta numa reivindicação, está em alerta contra o espectro". (Derek Jarman no livro Chroma: A Book of Color publicado em 1994)

Lars von Trier

No final de semana, Björk alegou no Facebook que tinha sido assediada sexualmente por um director dinamarquês. Embora não tenha nomeado o homem, Lars von Trier foi o único cineasta dinamarquês com quem trabalhou. O cineasta negou publicamente as suas alegações. "Esse não foi o caso. Não somos definitivamente amigos, isso é um facto", disse. Von Trier falou negativamente sobre a sua experiência de trabalho com Björk no passado. Mas o cineasta já foi acusado de tratamento injusto e abusivo das suas actrizes. O produtor Peter Aalbaek Jensen, que colaborou com Von Trier no filme Dancer in the Dark afirmou a que ele e Von Trier eram as vítimas. "Essa mulher era mais forte do que Lars von Trier e eu e a nossa empresa. Ela ditou tudo e estava prestes a fechar um filme de 100 milhões de dólares".

Photo Vogue


A Vogue Itália exibe as suas imagens de moda mais "políticas". A palavra política serve para tudo na sociedade de espectáculo. O Festival da Photo Vogue, que decorre entre 15 a 19 de Novembro em Milão, inclui várias exposições em toda a cidade com base em 50 anos dos arquivos da revista. Vai acolher eventos que exploram a relação da revista com temas como género, identidade, riqueza, ambiente e consumismo. Sob a liderança da falecido Franca Sozzani, a publicação era conhecida por publicar inovadoras imagens de moda. Bruce Weber , David LaChapelle, Ellen von Unwerth, Miles Aldridge, Peter Lindbergh, Steven Meisel e Tim Walker para citar alguns nomes fortes- A exposição também mostrará como a fotografia tem sido um catalisador para debates dentro da indústria, usando arquivos visuais retrospectivos para explorar obsessões mórbidas como a cirurgia plástica, a glamourização da reabilitação e do consumismo extremo.

Mais e menos satisfeitos

Uma nova pesquisa da Pew Research descobriu que os públicos em todo o mundo geralmente não estão de acordo com a funcionalidade de seus sistemas políticos, embora os níveis de satisfação com a democracia variem enormemente. Como podemos ver a partir da infografia, que mostra uma selecção dos países da pesquisa, as pessoas na Índia têm uma tremenda fé na democracia. 79 por cento dos entrevistados disseram estar satisfeitos com a forma como a democracia está a trabalhar na Índia, em comparação com 11 por cento que estão insatisfeitos. A Alemanha também apresentou um alto nível (73 por cento) de satisfação com a democracia. Em muitos outros países desenvolvidos, no entanto, a fé está diminuindo. No Reino Unido e no Japão, 47 por cento das pessoas não estão satisfeitas com a forma como a democracia está funcionando nos seus países, enquanto nos EUA a insatisfação sobe para 51 por cento. A França, a Coreia do Sul e o Brasil registaram níveis de insatisfação de 65% ou mais. E a mais alta é a Grécia com 79 por cento de insatisfação.

Embaixador sueco

O novo embaixador da Suécia na Islândia provocou uma grande controvérsia depois de advertir que a Suécia se encontre "no processo de desmantelar a democracia" e pode estar num declive escorregadio para a tecnocracia ou uma ditadura. Håkan Juholt, ex-líder do partido social-democrata fez estes comentários numa entrevista ao jornal Svenska Dagbladet. "Eu não acho que a ameaça seja uma ditadura com tanques na Praça de Sergel (uma praça bem conhecida no centro de Estocolmo), mas impedir que os valores dos cidadãos governem o país. A democracia está escapando entre os nossos dedos. Menos pessoas querem ser eleitas.

Aviso do MI5


No Reino Unido é extremamente raro que as entrevistas com membros da inteligência britânica sejam transmitidas nos programas de notícias em horário nobre, mas foi o que aconteceu. Andrew Parker, director-geral do MI5, alertou que a Grã-Bretanha estava a enfrentar uma das ameaças terroristas mais graves de todos os tempos e novos ataques são inevitáveis. E explicou: "Essa ameaça é multidimensional, evoluindo rapidamente e funcionando numa escala e ritmo que não vimos antes. Está no ritmo mais alto que eu já vi na minha carreira de 34 anos. Hoje, há mais actividades terroristas, chegando a nós rapidamente e podem ser mais difíceis de detectar". O Estado Islâmico sofreu fortes derrotas no Iraque e na Síria, mas o MI5 estima que 850 britânicos que viajaram para o seu território poderiam voltar para o Reino Unido. Cerca de 100 morreram na luta. "Um dos nossos principais desafios é que nunca temos fragmentos de informação, daí que precisamos de tentar reunir uma imagem do que pode acontecer, com base nesses fragmentos", afirmou. Defendendo sua agência, Parker afirmou que 20 tentativas de terror foram prevenidas nos últimos quatro anos e sete nos últimos sete meses. No entanto, lamentou: "A ameaça é mais diversificada do que já conheci. Esquemas complexos e também grosseiros. Planeamento prolongado, mas também ataques espontâneos. Extremistas de todas as idades, género e origens, unidos apenas pela ideologia tóxica de uma vitória violenta"

Suborno nuclear


O Comité Judiciário do Senado lançou uma pesquisa em grande escala sobre um caso russo de suborno nuclear, exigindo que várias agências federais divulguem se sabiam que o FBI tina descoberto corrupção antes do governo Obama aprovar em 2010 um polémico acordo de urânio com Moscovo. O senador Chuck Grassley (R-Iowa), o presidente do comité, apresentou o assunto em público hoje. Embora a audiência tenha sido agendada para outros fins, os assessores disseram que esperavam que Grassley perguntasse ao procurador Jeff Sessions sobre uma história publicada ontem no The Hill que revelou que o FBI tinha descoberto evidências de que as autoridades nucleares russas estavam envolvidas num esquema envolvendo subornos e lavagem de dinheiro projectado para expandir o negócio de energia atómica do presidente russo Vladimir Putin em solo americano. "Recentemente, chamou a atenção do Comité de que os funcionários da Rosatom estiveram envolvidos num empresa criminal para cometer extorsão e lavagem de dinheiro durante o tempo da transacção do CFIUS, escreveu Grassley numa carta dirigida a Sessions. Há meses passado, Peter Schweizer fez um documentário intitulado Clinton Cash sobre o acordo de Uranium One, aprovado pelo governo Obama. A Fundação Clinton recebeu quase 150 milhões de dólares em doações dos accionistas da Uranium One e outras entidades russas. Além disso, o New Yorker confirmou que Bill Clinton recebeu 500.000 dólares em taxas de conversação de um banco de investimento russo, ligado ao Kremlin. Escusado será dizer que o Departamento de Estado aprovou o acordo que dá à Rússia a propriedade de 20% dos activos de urânio dos EUA. (Via The Hill)