sexta-feira, 22 de março de 2019

Nuno Gama


Yellow, a cor proibida..

Guo Pei cria magia.Um  vestido de 50 quilos, tão pesado que você tem que considerar uma ginasta e não um modelo para andar na pista. Um vestido fiado por 300 bordadeiras. Tudo isso vem de uma mulher que aprendeu seu ofício na Escola de Indústrias da Luz, após o reinado de Mao Tse Tung, e que agora se tornou a primeira empresa chinesa a se juntar à Chambre Syndicale de l'Haute Couture. e, portanto, desfilar na Semana da Alta Costura de Paris.Na cidade ´tingida de amarelo nos sábados.

quinta-feira, 21 de março de 2019

Tim Walker




O museu Victoria & Albert de Londres anunciou  a sua próxima exposição. Trata-se de  Tim Walker: Wonderful Things. Inaugura em Setembro e será a maior exposição de sempre do trabalho do fotógrafo britânico, com mais de 150 imagens inspiradas na colecção permanente da V & A. Conhecida por sua fantástica fotografia, a exposição abrangerá 100 imagens existentes, dez novos projetos fotográficos, adereços, filmes Super 8 e artefatos raros do arquivo V & A, de onde Walker fotografou no processo de criação do espetáculo. Conjuntos espetaculares de Shona Heath reflectirão o trabalho do fotógrafo em salas projetadas para se assemelhar a casas de campo em tons pastéis, catedrais incendiadas ou estúdios austeros de fotografia branca."Para mim, o V & A sempre foi um palácio dos sonhos - é o lugar mais inspirador do mundo", disse Walker num comunicado. As novas fotos - cada uma com tema em torno de um objeto específico do arquivo da V & A, desde roupas e jóias de Edith Sitwell aos provocativos desenhos de 1890 de Aubrey Beardsley - incluirão rostos conhecidos, da modelo Karen Elson, da actriz Tilda Swinton e de Rooney Mara que vemos nas fotos. 

William Kentridge



Actualmente na Marian Goodman Gallery de Nova Iorque convidou o artista William Kentridge  para apresentar uma série de novos trabalhos em filmes, desenhos e esculturas, unindo materiais de três grandes projetos de performance que estão sendo desenvolvidos nos últimos dois anos. A exposição com o título de Let Us Try for Once, reúne materiais de The Head & the Load , uma obra teatral co-composto por Philip Miller e Thuthuka Sibisi e recentemente exibido no New York Armory em Dezembro de 2018, bem como uma célebre produção da ópera de Alban Berg de Wozzeck , que Kentridge dirigiu para o festival de ópera de Salzburgo em 2017 (e veio para o Metropolitan Opera em 2019-2020), bem como  Ursonate, uma performance do poema sonoro do mesmo título, de Kurt Schwitters , de 1932, apresentado na Performa Biennial Nova Iorque.

Ciclo de Performance


A Electricidade Estética apresenta a 3ª edição do Ciclo de Performance GATO VERMELHO nos dias
 19, 20 e 21 de Março 2019, a partir das 21h 30m  das Salas CInzentas (Céu de Vidro-Caldas da Rainha. Hoje, dia 21, actuam Beabá e Mne Leisure, Rogério Barroso, Sofia Ponte; Vicente Mateus e André Silva e Luís Plácido da Costa.

quarta-feira, 20 de março de 2019

Black to Techno


Cineasta Jenn Nkiru




O novo filme da cineasta britânica Jenn Nkiru com o título de Black to Techno, explora a relação de techno na cena da música negra de Detroit. O ano de 2018 foi muito produtivo para esta cineasta britânica e nigerian. Dirigiu videoclipes para Neneh Cherry e o músico de jazz Kamasi Washington.; Em junho, foi lançado o vídeo de Beyoncé e Apeshit de Jay-Z (sob o duo deles, The Carters), e ela trabalhou ao lado do diretor Ricky Saiz. Antes disso, Nkiru estreou o curto Rebirth is Necessary - uma poderosa exploração da experiência negra que incluiu imagens de arquivo de  Sun Ra e Black Panthers - no NOWNESS. O documentário expressionista é um antepassado de seu mais recente projeto - Black to Techno , parte da série de curtas da Gucci, Second Summer of Love , seguindo Josh Blaaberg e Jeremy Deller .A curta, que estreou na Frieze Los Angeles , explora as origens da cultura techno de Detroit, ligando a próspera indústria automobilística da cidade ao som mecânico que subseqüentemente explodiu nas pistas de dança de todo o mundo. Black to Techno descobre um aspecto importante da música techno que muitas vezes é esquecido."A minha esperança é que todos os indivíduos com algum nível de curiosidade possam entrar nessas coisas e ver aspectos de si mesmos, ou pelo menos serem curiosos sobre coisas que não sabem", explica Nkiru sobre o filme, que reúne clipes de filmes de arquivo, amostras e entrevistas com as lendas da música de Detroit.

Sterling Ruby

O artista californiano  Sterling Ruby anunciou  que vai apresentar uma coleção pronta para uso, com lançamento previsto para Junho deste ano. Intitulado SR STUDIO. LA CA. Englobando roupa de homens e mulheres , a colecção será uma evolução de sua arte, que muitas vezes inclui elementos de tecido, de colchas e tecidos de pulverização de alvejantes para soft escultura. "Sempre me interessei pelo poder comportamental que vem com a roupa", disse ele num comunicado. “Há anos venho explorando roupas como um meio, como algo que afecta a maneira como se pode pensar, sentir e se mover. Eu não poderia estar mais animado para finalmente colocar minhas roupas no mundo". Ruby,  não é estranho à moda . Teve uma colaboração frutífera com Raf Simons pois trabalhou ao lado do estilista belga tanto na sua marca como na Calvin Klein, onde  criou inúmeras instalações para desfiles e a sede da marca durante o evento. A coleção própria de outono / inverno 2014 da Simons  foi talvez sua colaboração mais prolífica, onde uma coleção co-projetada (os nomes de Ruby e Simons apareceram nos rótulos das roupas) englobou vários elementos que lembram a série BC / Bleach Collage do artista. Incluia tecidos respingados de alvejantes, estampas galácticas e manchas cor de ácido.  Ruby desde que deixou o programa de Belas Artes na Faculdade de Design de Arte de Pasadena em 2005, abrange vários meios: cerâmica, têxteis, colagem, desenho, pintura, fotografia, moda, vídeo metalurgia, escultura. Rompendo a teoria - as atitudes de gênero para o artesanato, a história da arte e o minimalismo.

Pavilhão da Índia

Os organizadores do pavilhão da Índia para a 58ª Bienal de Veneza, que abre em Maio, disseram que apresentarão uma exposição colectiva chamada “Our Time for a Future Caring", que enfoca as filosofias de Mahatma Gandhi e seus usos no mundo de hoje. Eles escolheram sete artistas para o show: Nandalal Bose, Atul Dodiya, GR Iranna, Rummana Hussain, Jitish Kallat, Shakuntala Kulkarni e Ashim Purkayastha. Com curadoria do Museu de Arte de Kiran Nadar, em Nova Delhi, a apresentação contará com pinturas, esculturas, fotografias e obras de mídia mista. Entre as peças que mostradas estão os Painéis Haripura da Bose , que foram originalmente encomendados por Gandhi para o encontro do Partido do Congresso Nacional Indiano em 1938, e a videoinstalação Covering Letter de Kallat  que apresenta uma carta de Gandhi a Hitler. Nenhum trabalho foi mostrado na Europa antes. Contribuições de Iranna, Hussain e Kulkarni examinarão temas como não-violência, verdade e tolerância. O pavilhão foi organizado pelo Ministério da Cultura da Índia e pela Confederação da Indústria Indiana.

terça-feira, 19 de março de 2019

hotel Louboutin

Christian Louboutin é um dos designers de sapatos mais famosos do mundo da moda com as suas solas vermelhas. Agora, ele decidiu adicionar uma nova área de negócios ao seu currículo: vai entrar pro mundo da hotelaria! O seu hotel deve ficar em Alentejo, Portugal, onde Louboutin já foi dono de uma casa de férias durante anos, e o projeto é da arquitecta Madalena Caiado, que se inspirou nos prédios de arquitectura portuguesa. O local ainda vai contar com um restaurante no estilo cantina, que servirá comida orgânica, peixes e queijos locais! A previsão de lançamento  será no verão  de 2020.

Michael Jackson


Não foi só a Louis Vuitton que teve que rever a sua ligação com Michael Jackson após o documentário “Leaving Neverland” que aponta novas acusações de pedofilia contra o cantor. A tradicional Gieves & Hawkes, que fica no nº 1 da famosa rua de alfaiates Savile Row em Londres, tirou uma casaca das vistas do público por causa disso. A Gieves & Hawkes criou a casaca cheia de bordados, alamares e dragonas com inspiração militar para a turnê“Bad” de Michael em 1988. A que estava à mostra na loja era uma réplica, mas mesmo assim a alfaiataria, considerada uma das mais antigas do mundo, decidiu retirá-la de vista e ainda lançou um comunicado: “Sob a luz das alegações perturbadoras feitas no documentário, a réplica da peça foi removida das dependências há semanas”.

Bolha imobiliária

O UBS descreve a existência de uma bolha imobiliária ."Bolhas de preços ocorrem regularmente nos mercados imobiliários. O termo "bolha" indica uma sobrevalorização substancial e persistente de um activo cuja existência não pode ser comprovada até que ela tenha estourado. Os indicadores típicos são a desconexão entre os preços dos aluguéis e os rendimentos locais e os desequilíbrios na economia real, como empréstimos excessivos ou actividades excepcionais no sector da construção. Nos últimos 5 anos, os preços dos imóveis nas principais cidades aumentaram em média 35%. Em São Francisco, Munique e Vancouver, esse percentual chegou a dobrar. Aumentos de preços são menos espetaculares do que generalizados. [..] As razões são para olhar na flexibilidade das condições de financiamento. As grandes cidades estão se beneficiando da concentração e crescente importância da economia digital, que atrai pessoas altamente qualificadas para as cidades. Cidadãos ricos estão mostrando interesse crescente em investir seu dinheiro em imóveis mais caros nas melhores áreas urbanas. "Em todas as cidades da UE, com exceção de Milão, os preços dos imóveis subiram acentuadamente nos últimos cinco anos. As bolhas estão ameaçando em Munique, Paris Amsterdão  e Frankfurt. Fora da zona do euro, as bolhas imobiliárias ameaçam Londres e Estocolmo, Genebra e Zurique. A compra de um apartamento de 60 m² na maioria das cidades do mundo excede o orçamento de trabalhadores altamente qualificados no sector de serviços. Este é particularmente o caso em Hong Kong, onde 22 salários anuais são necessários para comprar um apartamento desse tipo. Mas em Londres, Paris, Cingapura, Nova Iorque e Tóquio também, são necessários mais de 10 salários anuais para comprar um apartamento residencial desse tamanho.
"No entanto, as  primeiras rachaduras nas bases  do forte crescimento estão começando a aparecer", conclui o UBS."Metade das cidades que enfrentam um risco de bolha desde o ano passado  - Sydney, Estocolmo, Londres e Toronto - viu os preços dos imóveis caírem. Londres , Estocolmo e Sydney registraram contrações de mais de 5%. Em Sydney, por exemplo, condições de crédito mais rígidas e taxas de juros mais altas acabaram com o forte aumento dos preços. Genebra também tende mais e mais a um preço normal. Segundo o relatório, os preços reais de mercado são observados em Boston, Cingapura e Milão".

Talking Heads


animais fora da Universidade

A Universidade do Minnesota vai banir animais de apoio emocional nas salas de aula escritórios e laboratórios, uma medida que estava a ser aplicada há dois anos. Alegam que  "podem causar um distúrbio se latirem, estourarem ou irem ao banheiro no campus " , e são " problemáticos para pessoas com alergias ou para aqueles da fé muçulmana que consideram a saliva do cão impura".Animais de serviço para pessoas com deficiência ainda serão permitidos sob a nova política, e animais de apoio emocional continuariam sendo permitidos em moradias no campus até a aprovação do Disability Resource Center, de  acordo com o Star Tribune. Isto é tudo tão ridículo!

Marc Faber

O lendário investidor  Marc Faber, diz que esquece a desaceleração que vem porque a economia já está fazendo o backup há meses. Os investidores são relativamente complacentes. Ninguém pensa que uma recessão começou. Eu acho que uma recessão nos EUA provavelmente começou em Outubro / Novembro do ano passado. Se você definir uma recessão como actividade económica de pico e subseqüentes taxas de crescimento em declínio que podem se tornar negativas no processo, acho que isso está acontecendo agora no mundo. Nós provavelmente já estamos em uma recessão.
Os bancos centrais, a meu ver, continuarão a fazer mais ou menos o que fizeram no passado, a saber, imprimir dinheiro ”. Faber adverte: "Quando comecei a trabalhar em 1970 em Wall Street, a capitalização bolsista dos EUA em percentagem do PIB ... estava entre 25% e 30%. Agora, a capitalização do mercado de ações sozinha é de 150% do PIB, e quando você adiciona os títulos a ela, estamos em 300%. É uma enorme bolha de activos em comparação com a economia real. Eu acho que não importa o que eles façam, essa bolha de activos será esvaziada, e isso será muito doloroso. Os detentores de activos são os poderosos aqui, e eles não querem que seja esvaziado. A questão é se teria sido melhor entrar economicamente no hospital em 2008/2009 e limpar o sistema, em vez de essencialmente injectar o paciente doente com mais opiáceos para mantê-lo vivo? Vai ficar muito pior na próxima vez que isso acontecer. "O Dr. Faber acha que os problemas no Ocidente não são apenas financeiros, mas geopolíticos com a ascensão do socialismo e do comunismo . Marc Faber. Faber diz:“Posso assegurar-lhes que pessoas que viveram sob o socialismo e o comunismo na China, Rússia e Europa Oriental, é a última coisa que querem voltar. Os ocidentais, que nunca experimentaram o estilo de vida devastador sob o socialismo e o comunismo, são receptivos à idéia.
A geração do milênio acha que o governo deveria fazer mais. Eles não sabem o que isso significa. Quando o governo pode fazer mais, pode fazer tudo. Eles podem ter pessoas construindo pontes no deserto, onde não são necessárias pontes para manter as pessoas ocupadas, e isso leva a uma completa calamidade econômica.".

domingo, 17 de março de 2019

Jogada de Di Maio

A visita da próxima semana à Itália do primeiro-ministro chinês Xi Jinping deixou quase todo mundo nervoso. O recente anúncio do líder do Movimento Cinco Estrelas, Luigi Di Maio, de que seu país está preparado para assinar um Memorando de Entendimento com a China para ser parte da ambiciosa Iniciativa Faixa e Estrada da China desencadeou uma tempestade de resposta de Donald Trump e Angela Merkel. O parceiro da coligação de Maio, o líder da Lega, Matteo Salvini alertou contra a colonização da Itália pela China.. O anúncio de Di Maio  não "pegou de surpresa" Salvini como o artigo da Reuters sugere,  tanto quanto Merkel e Trump."Estamos revendo", disse Salvini, que trabalha como vice-primeiro-ministro com Di Maio, na quinta-feira. "Antes de permitir que alguém investisse nos portos de Trieste ou Gênova, eu pensaria nisso não uma, mas uma centena de vezes."Se alguma coisa, este anúncio é uma jogada inteligente de Di Maio. Isso coloca Salvini um pouco na defensiva que vem definindo o ritmo da coligação recentemente. Salvini precisa de Trump do seu lado  para ajudá-lo a enfrentar Merkel e a União Europeia. Merkel está tentando jogar duro com Trump em questões de energia,  defendendo o pipeline Nordstream 2 como mudança do estado de geopolítica do conselho.

Leonor Antunes

 As declarações de Leonor Antunes provocaram uma certa polémica. Até porque revelam uma certa tontice. É uma artista com uma carreira internacional. até acho bem vá representar Portugal-o país- na Bienal de Veneza. O seu trabalho não é nada mau, mas obedece a uma fórmula muito em voga. Só não ouvi ninguém ainda dizer que a sua ideia estúpidaqueria atingir Joana Vasconcelos, uma artista muito mais interessante do que ela. É esse o ponto. Além da lambidela de botas ao Partido Socialista  de António Costa. Dentro de uns anos vai desaparecer do universo extremamente volátil das artes plásticas. É mais um clone.

Kit Harington

Kit Harington, o protagonista da Guerra dos Tronos vai despir-se do personagem de John Snow.

Solange


Eckhaus Latta





Talvez seja o Brooklyn de tudo, mas algo sobre o último show da Eckhaus Latta colocou em mente a gentrificação. Passando por Williamsburg e seguindo em direção a Bushwick, até a vizinhança de Ridgewood, onde, como de costume, o espetáculo Eckhaus Latta foi realizado, vemos alguns pilares estranhos, zonas abandonadas negligenciadas por torres reluzentes a crescer; murais folclóricos em conversas com anúncios de outdoors retocados; Brownstones gussied-up com vendedores de rua vendendo empanadas caseiras a poucos passos de suas inclinações. A nova coleção Eckhaus Latta era um pouco assim: o visual caseiro e improvisado ainda estava lá, mas uma versão mais elegante da marca parecia estar tomando conta. Pode-se dizer que Eckhaus Latta está se valorizando. Será que os promotores imobiliários urbanos se aproximaram dos remakes da paisagem  com o senso de propósito estético da dupla Mike Eckhaus e Zoe Latta trouxeram para melhorar sua moda nesta temporada? A alfaiataria aqui foi um bom exemplo: Os volumes arquitetônicos dado às pernas das calças e às mangas da jaqueta. Como os designers notaram após o show, Eckhaus originalmente treinou como escultor, e com essa colecção,  estava colocando os antigos músculos para trabalhar novamente. E, de facto, houve algumas declarações interessantes sobre forma e espaço na passarela da Eckhaus Latta. Os tecidos fizeram grande parte do trabalho de elevar esta colecção. Simplificando,  pareciam luxuosos. E foi isso que impulsionou a analogia da gentrificação para casa - a maneira como a luxúria era justaposta com gestos punks, como a pintura em spray sobre o denim, e as mais grosseiras, como a estranha mancha alaranjada num enorme sobretudo de lã de capim Ugg.  A mistura parecia orgânica, dinâmica e empolgante, como uma cidade diversificada e em constante evolução.

Heji Shin

 Intimidade e auto-reflexão convergem na exposição de Heji Shin na Kunsthalle Zürich, desafiando-o a reflectir sobre ideias de decepção e intimidade, bem como sobre a própria fotografia.  Muitos dos trabalhos desta exposição são retratos em larga escala do rapper Kanye West, cujas declarações incendiárias - de que a escravidão era uma escolha para os afro-americanos, por exemplo - ganharam uma condenação generalizada. Shin disse que ela sabia que tirar a foto de West era um risco. "Eu não me sinto ameaçada", disse . “Alguém pode me criticar por qualquer coisa. Eu estou totalmente bem.. Ela não se importa com artistas que são muito unilaterais nas suas ideologias, como Adrian Piper. . Não gosta de filmes de Hollywood que mercantilizam a política e a encapsulam de maneiras perfeitas. Ela acha que a NWA merece atenção mais crítica por suas músicas sobre violência policial. Ela tem certeza de que toda arte é fundamentalmente sobre poder e, portanto, por sua própria natureza, é "problemática").As fotografias do Ocidente, disse Shin, são uma tentativa de descascar a celebridade do músico e revelá-lo como pessoa, mas as circunstâncias das obras apresentavam um desafio. Numa brincadeira, ela mandou um email para West, pedindo para fotografá-lo, e para sua surpresa, ele concordou. Ela se encontrou com ele em Chicago e fotografou-o."Para ela, as imagens são uma rebelião contra a correção política. Depois de conhecer Kanye em Chicago, Shin foi convidado a se juntar a ele na Uganda rural  (onde ele supostamente trabalhou no seu álbum não Yandhi ) e mais tarde o fotografou em Los Angeles . "Naquela época eu não estava particularmente interessado nos seus comentários sobre a escravidão, se ele gostava de Trump, ou se ele fez  tweets incoerentes", diz ela. “Mas isso mudou rapidamente quando vi pessoas ficando realmente bravas. Eu estava interessada como a mídia o retratou de repente, quando ele expressou sua opinião. ”Bem, há muitas opiniões sendo divulgadas agora. “Isso é arte?” , Escreve um comentarista do Kunsthalle Zurich Instagram , enquanto outro exclama: “Nós adoramos! Kanye é maior que Deus !!
Heji Shin é uma fotógrafa alemã-coreana baseado em Nova Iorque. Ela trabalha comercialmente em projetos como gravações de moda, bem como no mundo da arte - não menos comercial. Shin ficou conhecida, entre outras, por suas imagens encomendadas pela grife americana Eckhaus Latta e por Make Love , um livro de educação sexual muito discutido para adolescentes, bem como pela série de imagens #lonelygirl and Babies .

Ella Kruglyanskaya





Ella Kruglyanskaya, artista da Gavin Brown Enterprise. Cores fortes e vinhetas de desenho animado?  Gosto do trabalho desta artista que une o grafismo e o pictórico com um aceno do expressionismo alemão e reflexões sobre o espaço e o potencial da pintura  incluídas. Nasceu em Riga, em 1978. Vive e trabalha em Nova Iorque. As cenas representadas - o processo criativo, as interações sociais entre as mulheres, evocam uma sexualidade glamurosa - gesticulam para a frieza de ser uma mulher no mundo, com corpos como locais para um drama que se desdobra. As mulheres,  voluptuosas e coloridas de Kruglyanskaya, com rabos e mamas grandes são atores da narrativa em cada uma de suas pinturas . Cada pintura parece ao mesmo tempo íntima e imensa. Pinta  mulheres sexualizadas e performativas sem aumentar sua deturpação. O trabalho de Kruglyanskaya combina  humor e comunicabilidade emocional. As suas pinturas são “caricaturais”, mas a estética parece ter sido escolhida deliberadamente para honrar o conteúdo. Que melhor maneira de demonstrar a fisicalidade potente da existência das mulheres e os dramas quase caricaturais que acompanham a vida  num corpo feminino? Não parece haver maior maneira de reconhecer a ação de protagonistas que se recusam a ser reduzidos por influências externas. Admiradora de Elena Ferrante a artista afirma  que de certa forma "são semelhantes na medida  em que estamos retratando este ponto de vista estreito e vivido que parece incrivelmente verdadeiro".

sábado, 16 de março de 2019

Juan Branco


Coletes Amarelos




Após semanas de protestos mais moderados, os coletes amarelos da França estão de volta após o final do "grande debate" fracassado do presidente Macron - durante o qual milhares de prefeituras foram conduzidas durante um período de dois meses na esperança de resolver questões nacionais através de debates de cidadãos. Cerca de meio milhão de pessoas participaram de 10.000 reuniões em todo o país para discutir questões sociais que variam de impostos - que os franceses pagam ao máximo qualquer país da OCDE no mundo , à democracia e às mudanças climáticas. "Temos sido pacientes, mas agora queremos resultados", disse Laurent Casanova à AFP .E sem mudanças significativas depois de desabafos catárticos em todo o país,  os coletes amarelos voltaram às manifestações de raiva quando os protestos começaram sua 18ª semana com uma manifestação de “ultimato”  - marcada por saques, incêndios e desordem que os organizadores mantêm devido a uma minoria radical. .A violência irrompeu na Champs-Elysees Paris, onde a polícia de choque de Paris enfrentou os manifestantes, usando gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar a multidão. Alguns manifestantes tentaram erguer barricadas para bloquear as ruas em torno da Place Charles de Gaulle - levando a polícia a reagir da mesma maneira. Pelo menos um veículo foi incendiado de acordo com a AP, enquanto a manifestação se transformava em mais um tumulto, e os saques começaram. Janelas das lojas estavam amassadas e móveis quebrados.

Juan Branco 

Conta verificada

@anatolium
 2 hHá 2 horas
Mais
Que l'on ne rende responsables ni forces de l'ordre, ni blackblocks, ni gilets jaunes: le seul responsable est à l'Elysée.

Robert Crumb


A galeria David Zwirner apresenta até 13 de Abril em Nova Iorque a exposição R. Crumb on His Career-Political Cartoons, and His Ukulele. As caricaturas de Robert Crumb ignoraram as linhas entre os quadrinhos e a arte, chamada de bom gosto. Há mais de meio século, o seu estilo sinistro e distintivo de caneta e tinta. interpretando tudo, desde o Livro de Gênesis até a Metamorfose de Franz Kafka  à semelhança de Stormy Daniels.  A exposição “Drawing for Print: Fuck da Mente, Kultur Klashes, Pulp Fiction & Pulp Fact da Ilustre R. Crumb”  foi comissariada pelo curador e crítico Robert Storr. A partir de 12 de março, Zwirner também apresentará uma exposição online de páginas dos cadernos de desenho do artista dos anos 60, oferecendo um raro vislumbre do desenvolvimento de algumas das suas idéias e personagens iniciais, como Fritz the Cat e Mr. Natural. Agora com 75 anos, Crumb falou à  ARTnews  por e-mail sobre charges políticas, seu amor pelo ukulele e seu clássico de 1986, Book of Filth . Esta entrevista foi editada e condensada para maior clareza. "É claro que me incomoda que as pessoas percebam o meu trabalho como racista e sexista, que possam pensar que estou defendendo o racismo ou o sexismo. Eu acredito que essas pessoas têm uma noção inteiramente errada sobre o que são os meus quadrinhos. Sinto-me muito mal quando encontro essa reação porque você sabe, eu quero que todos me amem, especialmente as mulheres. Em vez disso, eu alienei a maioria deles com meus desenhos grosseiros e vulgares. Meus leitores são em grande parte do sexo masculino". Eu sempre adorei as provocações de Robert Crumb que mos anos 60 foram muito revolucionárias. Agora vivemos uma época onde se censura tudo o que sai fora do chamado do politicamente correcto. Sempre embirrei com a palavra correcto. Prefiro o incorrecto e o trangressivo. 

Aperture premiada

A publicação fotográfica Aperture ganhou o prêmio National Magazine Award de excelência geral, literatura, ciência e política. O prêmio foi entregue em Nova Iorque numa cerimônia organizada pela Association for Magazine Editors. A Aperture recebeu o prêmio por três edições - “American Destiny”, “Elements of Style” e “Future Gender”. “Cada edição especialmente tematizada  demonstrou o importante papel da revista como defensora da fotografia contemporânea”, disse a ASME. Os finalistas incluíram o Projeto Marshall , Oxford American , Popular Science e Virginia Quarterly Review .Outros vencedores da Excelência Geral incluíram o New Yorker  que também ganhou o prêmio de fotografia de longa-metragem pelas imagens de Philip Montgomery sobre como o Ohio foi afetado pela epidemia de opiáceos, e T: Revista The New York Times Style .

Jerry Saltz premiado


Jerry Saltz ganhou um Prêmio Pulitzer no ano passado e agora o meu crítico de arte favorito   recebeu mais um elogio. Na noite de quinta-feira, a Sociedade Americana de Editores de Revistas nomeou o artigo de 2018 da New York Magazine “How to Be an Artist” como o vencedor na categoria de Interesses de lazer do seu anual National Magazine Awards. A citação do prêmio dizia que Saltz “forneceu 33 lições ponderadas, sábias e tranquilizadoras que fizeram os desafios artísticos parecerem brincadeira de criança. Depois de ler 'How to Be an Artist', parece quase impossível não ter sucesso no seu próprio trabalho criativo ”. O anúncio oficial veio em uma cerimônia de premiação no Brooklyn Steel. Os prêmios da ASME consistem num belo troféu de cobre baseado numa escultura de Alexander Calder, são tecnicamente apresentados à revista que publicou o artigo vencedor. Na foto vemos Jerry Saltz com Kenny Schachter.

American Art


O Museu de Arte Americana Smithsonian, Washington, DC apresenta até 18 de Agosto uma exposição intitulada “Artists Respond: American Art and Vietnam War, 1965–1975
 Em 1970, o artista Robert Morris fez o Whitney Museum de Nova Iorque fechar a sua própria exposição, em parte como uma resposta à Guerra do Vietnam. Essa foi apenas uma das muitas maneiras radicais que os artistas americanos na época reagiram ao envolvimento dos EUA em conflitos no exterior. Com curadoria de Melissa Ho, esta mostra integra 58 obras de artistas americanos e inclui peças como os cartazes de protesto de Yoko Ono, as gravuras corporais de David Hammons e as pinturas de guerra sexualizada de Nancy Spero.

Okwui Enwezor (1963-2019)

Morreu o curador nigeriano, Okwui Enwezor que teve uma enorme influência na história da arte e do mundo da arte: Foi o primeiro curador Africano da Documenta e da Bienal de Veneza. Tinha 55 anos
Enwezor deixou seu cargo de director da Haus der Kunst em Munique em Junho do ano passado por motivos de saúde. Em Agosto passado, ele disse numa entrevista à revista alemã Der Spiegel que  lutava contra o cancro há três anos e passou por uma série de tratamentos diferentes. Nascido em Kalaba, na Nigéria, em 1963, estudou ciência política nos EUA.

Four Seasons

Dois anos depois o lendário restaurante Four Seasons, projetado por Philip Johnson, ter fechado as  portas no Seagram Building, finalmente reabriu em impressionantes novas instlaações projetadas pelo arquiteto brasileiro Isay Weinfeld.e acaba de ganhar Melhor Reinvenção no Wallpaper * Design Awards. Situado entre Madison e Park Avenue, a poucos quarteirões de sua localização original, o novo restaurante está distribuído em dois andares, ocupando mais de 19.000 m². A partir do Bar Room, que possui um bar afundado de 20 lugares e salpicado de ouro com vigas de teca, até a sala de jantar principal, que agrupa pisos de terrazzo italianos com colunas espelhadas em bronze de quartzo e cortinas de tecido de aço, a reinvenção de Weinfeld preserva o espírito refinado de seu antecessor sem parecer literal.einfeld criou uma grande cadência ao justapor momentos de grandeza com moderação em todo o restaurante. Os espaços de transição são escassamente mobiliados, mas revestidos de materiais nobres como o mármore e o calcário. Os móveis  que incluem cadeiras altas Edward Wormley no bar, cadeiras de jantar Jorge Zalszupin e novas peças que Weinfeld projetou especialmente, remetem a outra época, mas ainda estão enraizadas no presente.

Alex Majoli



Um afastamento do desejo fotojornalístico de capturar a realidade não adulterada (uma tarefa possivelmente impossível), o fotógrafo da Magnum, Alex Majoli,  inclinou-se para o teatro da vida no seu novo livro publicado por Mack com o título de Scene. Cenas de protestos políticos e crises humanitárias em todo o mundo, juntamente com momentos tranquilos do dia-a-dia, mostram os indivíduos desempenhando o papel que lhes é dado através da história e das circunstâncias. Nesse estranho clima de verdades conflitantes, eventos na Europa, Ásia, América do Sul e África são retratados com uma luz tenebrosa que sugere que a linha entre teatro e realidade é melhor do que gostaríamos de pensar.