segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Musk sobre Biden


 Depois do sucesso da missão orbital privada Inspiration4, o bilionário Elon Musk, CEO da Space X, deu uma resposta sarcástica quando questionado sobre o silêncio de Joe Biden que ignorou o feito, quando até os concorrentes como Jeff Bezos elogiaram a conquista que merecia uma referência da Casa Branca.

Um dos seguidores de Musk observou que o "presidente dos Estados Unidos se recusou a reconhecer os quatro mais novos astronautas americanos que ajudaram a levantar centenas de milhões de dólares para St. Jude ..."  Qual é a sua teoria sobre o porquê disso?, perguntaram a Musk"  que disse: "Ele ainda está dormindo", fazendo uma alusão ao apelido de 'Sleepy Joe' inventado por Donald Trump para Biden.

terça-feira, 14 de setembro de 2021

A performance


 A deputada Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) passou a noite de segunda-feira no luxuoso Met Gala em Nova Iorque usando um vestido com a frase "taxar os ricos".Atraiu duras críticas nas redes sociais.  Muitos perceberam esta hipocrisia grosseira sob o disfarce de uma declaração política "ousada".

“Tax the Rich”……But first I’m gonna go have the time of my life partying with them all at the most extravagant over the top party of the year that is essentially a celebration of richness."

Os ingressos para o evento anual de caridade custavam pelo menos US $ 35.000 por cabeça - o que aumentou o debate sobre a sua escolha de guarda-roupa. Em declarações à imprensa, Ocasio-Cortez disse que usou o vestido num evento frequentado principalmente por celebridades e os muito ricos para “trazer todas as classes para a conversa” sobre “apoiar famílias trabalhadoras” e “ter um código tributário justo ” . É uma desculpa esfarrapada e obscena, Uma palavra que perante certas situações  e certas pessoas me vem constantemetente à mente . E a mediática AOC diz-se socialista democrata...

Várias pessoas também criticaram a congressista por comparecer ao evento em vez de participar de um protesto do movimento Black Lives Matter fora do local contra um recente tiroteio policial. Várias pessoas foram presas pelo NYPD na manifestação.

É assim

Escolhi as sábias palavras de George Orwell porque se aplicam ao que acontece neste nosso país pequenino e videirinho.  Giorgio Agamben: “O estado de excepção tornou-se norma.” O filósofo
 italiano fala de filosofia, de arte, de poesia e da tendência política do mundo actual. "Os meios de comunicação de massa liberais, academia e instituições de lobby "think tank", fundações políticas e ONGs patrocinam a retórica de mercados livres para criar veículos para fuga de capitais, lavagem de dinheiro, evasão fiscal, desregulamentação e privatização (e a corrupção que vai com cleptocracias emergentes). A doutrina neoliberal descreve todos os movimentos públicos para proteger a prosperidade geral do fardo das despesas gerais dos rentistas como sendo uma autocracia autoritária “interferindo” nos direitos de propriedade".

sábado, 11 de setembro de 2021

Bhasha Chakrabarti


When I Get That Mood Indigo é uma homenagem à substância complexa que é o índigo, com qual o artista Bhasha Chakrabarti faz experiências. Desde quilting, pintura e fabrico de papel. A exposição que o artista apresenta em Los Angeles tem o título do padrão de jazz de Duke Ellington “Mood Indigo” . O azul mais azul. O artista retrata amigos negros americanos como deuses, deusas e figuras mitológicas hindus, que são descritos na poesia e nos textos como shyama (preto azulado) ou krsna(Preto), mas são tradicionalmente reproduzidos em manuscritos, miniaturas e murais usando índigo. Os retratos de Chakrabarti desafiam a visão de mundo do sul da Ásia em que figuras deificadas são conceituadas como negras na escrita, mas aparecem como azul índigo - um reflexo do racismo e visões preconceituosas sobre as castas na Índia.

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Carlos Costa (1928-2021)

Morreu Carlos Costa. Um verdadeiro comunista. Para ele o capitalismo  não era uma abstracção que pode  pode ser defenido como se quiser e no momento que se qusiser. Era a pedra angular de um pensamento político que lhe norteou a vida. Tinha 93 anos. 

sábado, 4 de setembro de 2021

terça-feira, 24 de agosto de 2021



"Enquanto o establishment dos EUA luta com a sua derrota no Afeganistão, os veteranos americanos Matthew Hoh e Danny Sjursen explicam como a guerra no Afeganistão foi perdida, os afegãos sofreram e os empreiteiros militares lucraram - tudo enquanto o público americano foi mantido no escuro. Os convidados da Grayzone são Danny Sjursen : oficial aposentado do Exército dos EUA membro sênior do Centro de Política Internacional. Ele serviu em missões de combate no Iraque e no Afeganistão e mais tarde ensinou história em West Point. O seu livro mais recente é “A True History of the United States”. E Matthew Hoh : Ex-funcionário da Marinha e do Departamento de Estado que renunciou em protesto ao seu cargo no Afeganistão por causa da política dos EUA em Setembro de 2009. 

nv Internacional. Ele serviu em missões de combate no Iraque e no Afeganistão e mais tarde ensinou história em West Point. Seu livro mais recente é “A True History of the United States”. Siga-o no Twitter em: https://twitter.com/SkepticalVet


Matthew Hoh : Ex-funcionário da Marinha e do Departamento de Estado que renunciou em protesto a seu cargo no Afeganistão por causa da política dos EUA em setembro de 2009. Agora é membro sênior do Centro de Política Internacional. Siga-o no Twitter em: https://twitter.com/matthewphoh





AFEGANISTÃODANNY SJURSENMATTHEW HOH



AARON MATÉ

Aaron Maté é jornalista e produtor. Ele hospeda Pushback com Aaron Maté no The Grayzone. Em 2019, Maté foi premiado com o Prêmio Izzy (em homenagem a IF Stone) por realizações notáveis ​​na mídia independente por sua cobertura do Russiagate na revista The Nation. Anteriormente, ele foi apresentador / produtor do The Real News and Democracy Now !.


POSTAGENS RELACIONADAS


VÍDEO: Os principais conselheiros de Biden, Flournoy e Blinken, prometem uma política de guerra permanente mais inteligente e secreta

DAN COHEN·20 DE NOVEMBRO DE 2020


Chamando o NYT de reportagem “não profissional” no 'Bountygate'

ANYA PARAMPIL·11 DE JULHO DE 2020


Eleição de Russiagate no Paquistão: Imran Khan e os 'vilões' racionais que o Ocidente adora odiar

JUNAID S. AHMAD·13 DE AGOSTO DE 2018

Pete Buttigieg CIA Afeganistão

O queridinho da mídia, Pete Buttigieg, estava na unidade que trabalhou com a CIA no Afeganistão

ALEXANDER RUBINSTEIN·7 DE FEVEREIRO DE 2020

Bombardeiro da Força Aérea dos EUA Boeing B 52

Os EUA lançaram 26.171 bombas em 7 países de maioria muçulmana no ano passado de Obama

BEN NORTON·10 DE JANEIRO DE 2017

Mike Pompeo ameaça membros da família ICC

O governo dos EUA ameaça famílias de funcionários do Tribunal Penal Internacional se eles julgarem americanos por crimes de guerra

BEN NORTON·20 DE MARÇO DE 2020



 

segunda-feira, 23 de agosto de 2021

sábado, 21 de agosto de 2021

A imagem



 volta a si mesma

 Paula Rego continua na Tate Britain. Cada vez gosto mais desta artista portuguesa. A única que está em sintonia com o tempo. Absoluamente contemporânea. Frank Owen dizia: A história de arte volta a si mesma. Não é linear. E deixa aberturas para onde saltar de volta".

Kaari Upston




Faleceu a artista Kaari Upston residente em Los Angeles cujo trabalho sugere formas sinistras de perda. Tinha 49 anos. Margot Norton, uma curadora do New Museum que organizou uma exposição solo de 2017 do trabalho de Upson, anunciou a notícia no Instagram na quinta-feira, dizendo que o artista havia morrido de cancer metastático. “Kaari foi uma força da natureza e um belo ser humano”, disse Jay Jopling, o fundador da galeria White Cube, que representa a artista. “Seu trabalho focou poderosamente as falácias do sonho americano.”As esculturas, vídeos e performances de Upson foram  vistos em bienais de classe mundial e grandes exposições individuais na última década.

Farol da democracia


 "Este anúncio foi publicado na revista american Soldiers of Fortune (SOF), algures durante a década de 80, no decorrer da guerra que opôs o governo afegão de então, apoiado pela URSS, a várias facções de mujahedines e maoistas, apoiados, entre outros, pelos EUA, China, Arábia Saudita e Reino Unido.

O anúncio mais não era do que um o apelo dos responsáveis pela publicação, próxima da ala mais radical do Partido Republicano e da NRA, para que os seus leitores apoiassem financeiramente os rebeldes, maioritariamente fundamentalistas wahhabitas, a versão mais extremista do sunismo. Mohammed Omar e Abdul Ghani Baradar estavam entre os beneficiários da campanha da SOF. Na década seguinte fundaram os Taliban. Esta semana, Baradar assumiu funções de vice-Emir do Emirado Islâmico do Afeganistão, uma espécie de primeiro-ministro, já que o emir, Hibatullah Akhundzada, é mais um líder religioso que político.

Da America Latina ao Medio Oriente, de Pinochet e Noriega aos Taliban e à Casa Saud, um dia ainda havemos de ver respondida uma das grandes questões do nosso tempo: porque é que aos EUA é permitido apoiar e legitimar ditadores, promover golpes de Estado contra men democraticamente eleitos

Dean Wareham

 

NYT e companhia


 "Os comentários sobre o “colapso” do Afeganistão provam que os EUA não aprenderam a “lição” do Vietnan. Claro, se a política externa dos Estados Unidos era para aprender com os erros do passado, não há evidências de que aprendeu as lições da Coreia, Congo, Guatemala, Haiti, República Dominicana, Cuba, Laos, Camboja, Chile, Líbano, Nicarágua, El Salvador, Panamá, Granada, Kosovo, Iraque, Líbia, Síria ... Não se trata de “aprender”. Trata-se de entender quem lucra com essas intervenções / invasões / ocupações aparentemente fracassadas.

 O NYT está preocupado com o facto de que a vitória dos Talibãs contra os militares afegãos treinados pelos EUA ameace a " credibilidade " americana . A credibilidade dos EUA foi perdida quando invadiram o Afeganistão em resposta a um complot planeado, financiado e executado em grande parte por militantes sauditas... Ron Paul e Bernie Sanders votaram a favor da Guerra ao Terror de Bush depois do 11 de Setembro.

 Bernie votou no AUMF de 2001 autorizando a Guerra do Afeganistão e tudo o que se seguiu. Mesmo agora, 20 anos depois, ele continua a ver a guerra como uma espécie de projeto humanitário fracassado, citando apenas vidas americanas perdidas e culpando os próprios afegãos por serem “corruptos” e “ineficazes”. Não é o seu melhor momento (ou anos, ou décadas) .

Pouco depois de escrever uma coluna no final de 2001 elogiando Bush por ter conquistado o Afeganistão e declarando que os Talibãs “desapareceram”, Thomas Friedman, do New York Times, recebeu o seu segundo Prémio Pulitzer do jornalismo. .." (Jeffrey Saint Clair-Counter Punch

Verdade básica

"Na primavera de 1975, quando as forças do Vietnã do Norte se aproximaram de Saigão o presidente Gerald Ford começou a perceber que o governo do Vietnã do Sul provavelmente entraria em colapso. Embora demorasse a agir , a administração de Ford finalmente apelou ao Congresso por US $ 300 milhões em fundos de emergência que pretendia usar para evacuar os americanos remanescentes e até 175.000 sul-vietnamitas. A oposição ao plano foi mais forte entre os democratas do Senado, como ficou claro por um discurso proferido por um jovem legislador em 23 de abril, apenas uma semana antes que as forças norte-vietnamitas capturassem o palácio presidencial em Saigão: “Não acredito que os Estados Unidos tenham a obrigação, moral de evacuar cidadãos estrangeiros. . . Os Estados Unidos não têm obrigação de evacuar um, ou 100.001, vietnamitas do sul". 

O senador em questão era Joe Biden - cuja oposição acabaria por falhar em evitar a evacuação de cerca de 135.000 vietnamitas. A declaração de Biden, no entanto, articulou um sentimento que era claramente comum em partes da classe política dos Estados Unidos na época. Com a estimada honra imperial do país diminuída pela derrota, muitos legisladores evidentemente preferiram tirar o assunto de suas mentes, mesmo que fossem esforços limitados de ajuda humanitária.

Embora o governo que Biden agora lidera tenha rejeitado agressivamente as comparações com a queda de Saigão há paralelos indiscutíveis entre a situação actual e a de meados da década de 1970. Mais uma vez, a firme determinação das elites americanas em se armarem em polícia global terminou em fracasso e catástrofe. E, mais uma vez, o prolongado desdobramento do terrível poderio militar da América deixou um rastro de morte, destruição e caos humano. Há ainda o ridículo jogo de culpar a merdia agora sobre quem exatamente é o responsável pela derrota do país, permanece uma verdade básica que não pode ser esquecida:  Estados Unidos têm a obrigação moral de oferecer abrigo ao maior número possível de afegãos. - dane-se a atmosfera política... " (Luke Savage-Jacobin)
 

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Vladimir Putin e Merkel


"O mundo tem que aceitar a realidade da situação no Afeganistão e se unir para evitar o colapso de todo o estado, disse Vladimir Putin durante uma colectiva de imprensa conjunta com Angela Merkel na sexta-feira. O presidente russo e a chanceler alemão falavam a jornalistas durante a visita desta a Moscovo. Os Taliban controlam virtualmente todo o país, incluindo a capital. Isso é a realidade” , disse Putin, Ele também pediu ao mundo que voltasse os seus esforços para impedir que terroristas se infiltrassem nos países vizinhos do Afeganistão sob o disfarce de refugiados.

“Vemos que os Taliban anunciou o fim das operações de combate, começou a restaurar a ordem pública e prometeu garantir a segurança dos residentes locais e das missões diplomáticas estrangeiras” , observou. “Espero que tudo isso se concretize.” Putin também criticou o Ocidente por “impor” valores estrangeiros ao país, e pelo “desejo de construir democracias  noutros países segundo o modelo de outrem”. Merkel disse a Putin que é necessário que a Rússia aponte as questões de ajuda humanitária no Afeganistão durante as negociações de Moscovo com os Taliban.

Chuck Close (1941-2021)

 

Morreu o artista Chuck Close. Teve uma paragem cardíaca. Em 1988 sofreu um colapso da artéria espinal que deixou parte do seu corpo paralisado. Ao que se seguiu Alzeimer e depois demência. "Estou triste com a morte de um dos meus amigos mais queridos", disse Arne Glincher, o prsidente da Pace Gallery, a galeria de Close que foi associado ao movimento de foto-realismo, surgido nos anos 60 -70. Mas na verdade, em 1968, recusou participar na exposição Realism Now, comissariada pela historiadora de arte Linda Nooblin que se realizou no Vassar College, em Nova Iorque.

Grace Weaver




 

No início do século 21, Grace Weaver (1989) dá uma nova vida à pintura figurativa. As suas obras estão repletas de imagens divetidas, sexy, contemplativas e espirituosas. As suas pinturas são de gestos, poses e olhares subtis. Observações situacionais da vida diária se unem a auto-reflexões sensíveis, rascunhos ousados ​​se fundem com uma cromaticidade reveladora. Os jovens protagonistas de Weaver, em grupos,  ou totalmente absortos em si próprios, na maioria das vezes parecem se perguntar quem eles realmente são ou querem ser. 

 "O rosa milenar, a cor de uma geração é algo impressionante. "É uma cor turva, incerta, fofa, sem ser juvenil", diz Grace, que ama a época do maneiismo por ser o "abandono total da anatomia" . Diz ainda que o seu  grande herói da pintura é Alex Katz 

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Jenny Saville


Ultimamente comecei a ter uma fobia das pessoas gordas com que me cruzo nas ruas ou nos cafés. Que horror! Penso incomodada perante a exuberância das carnes. Hoje defrontei-me com a triptico Strategic, um óleo sobre tela da artista Jenny Saville precisamente para contrariar esta reacção que, admito, ser preconceituosa. O tríptico recebeu muitos comentários negativos na imprensa quando Saville o mostrou pela primeira vez em 1994 na Saatchi Gallery, em Londres. Está agora no Museu Broad, em Los Angeles, onde vi esta magnífica pintura de uma artista que admiro imenso até porque confronta os códigos instituídos da beleza.

Dostum, criminoso

"O secretário de Estado Antony Blinken esteve nos programas de domingo de manhã e rejeitou enfaticamente a comparação desta situação com a queda de Saigão, o que eu concordo, porque isso é ainda pior do que a queda de Saigão. É mais auto-infligido. Em dezembro de 2001, os Talibãs ofereceram a rendição de Kandahar, a última cidade que ocuparam. Tudo o que eles pediram foi que seu líder na época, Mullah Omar, fosse mantido em prisão domiciliar em vez de ser enviado para Abu Ghraib ou qualquer outro lugar. O governo Bush disse: “Não, não estamos interessados” e embarcou em mais dezenove anos e meio de retrocesso.

Parece que as únicas pessoas que se “beneficiaram” com a invasão do Afeganistão pelos EUA foram empreiteiros militares privados, traficantes de heroína e pessoas associadas a várias facções poderosas do governo afegão apoiado pelos EUA ao longo dos anos. Isso é correto? Alguma coisa “boa” saiu disso? Os empreiteiros militares privados, certamente. O comércio de heroína certamente se beneficiou dos últimos vinte anos. Os senhores da guerra que foram enriquecidos pelos Estados Unidos e acumularam uma fortuna, na sua maioria, a perderam agora. Houve vídeos neste fim de semana de membros do Taliban vasculhando a mansão indizivelmente decadente de Abdul Rashid Dostum, o ex-vice-presidente, que também era um líder da milícia e estava reunindo a defesa da cidade de Mazar-i-Sharif, que caiu no sábado e foi o primeiro grande dominó a cair neste fim de semana. Ele tinha apenas um palácio opulento ridículo em que estava morando, mas ele o perdeu agora. Ele está no exílio. (Dostum realmente deveria ser julgado em Haia - ele é um criminoso de guerra.)

Ashraf Ghani, no entanto, provavelmente viverá muito bem no exílio, tendo administrado mal o Afeganistão a ponto de as pessoas que ele abandonou sofrer por isso. Ele provavelmente será homenageado, ele irá a todos os coktails e fará o circuito de palestras e obterá alguma sinecura em algum lugar, e ele se sairá muito bem. Então ele se beneficiou, certamente..." (Jacobin)

Que vergonha!



 Os Taliban gozam com Biden. Enviaram uma mensagem ao presidente dos Estados Unidos na terça-feira, posando numa fotografia, que mais tarde acabou no Twitter onde os combatentes aparecem segurando gelados. A mensagem é clara. Sabem que Biden é um fraco e não temem a América sob a sua liderança.  Ah, a embaixada russa e chinesa estão a funcionar em Cabul. Na boa.

A embaixada do Afeganistão no Tadjiquistão exigiu que a Interpol detivesse o presidente Ashraf Ghani, acusando-o de “roubar” do povo afegão depois que ele teria fugido do Afeganistão em um helicóptero cheio de dinheiro. O embaixador afegão no Tajiquistão disse   num comunicado à imprensa hoje que “exige” que os “ladrões” que roubaram do povo afegão sejam presos, incluindo Ghani. O enviado disse ter pedido à Interpol que prestasse atenção ao caso.
De acordo com a embaixada russa no Afeganistão, Ghani chegou ao aeroporto de Cabul com vários carros carregados de dinheiro e objectos de valor. Os Emirados Árabes Unidos  confirmaram que o presidente afegão deposto e sua família foram autorizados a entrar no país "por motivos humanitários".

Sem segurança


 Os milhares de cidadãos americanos que ainda estão no Afeganistão agora são oficialmente SOL porque enquanto os democratas no Congresso lutam para tentar conseguir mais dinheiro para os refugiados, a administração Biden está alertando que não pode mais garantir o segurança dos americanos ainda no Afeganistão, enquanto os combatentes do Taliban formam um anel de postos de controle em torno do aeroporto de Cabul.

 Enquanto o mundo espera para ver se os Taliban cumprirão as suas promessas de não recorrer à violência, os combatentes da organização já mataram vários manifestantes em cidades por todo o Afeganistão. De acordo com a Bloomberg , os novos postos de controlo dirigidos pelos Taliban no Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul (que é o último lugar sob controlo dos EUA no país) têm como objetivo apenas garantir a segurança e evitar que as pessoas corram depois que várias pessoas morreram durante as cenas caóticas na segunda-feira.

Os americanos restantes ainda no Afeganistão se perguntam se podem confiar a sua segurança ao Taliban após 20 anos de guerra com os EUA, o Departamento de Estado enviou a seguinte mensagem por texto de alerta para todos os americanos no país ontem. O alerta começa avisando aos AmCits restantes que as Forças Armadas dos EUA e o Departamento de Estado "não podem garantir sua segurança" , enquanto os direciona aos canais apropriados para qualquer papelada burocrática que ainda precisa ser preenchida antes de partirem. A quebra de segurança é apenas mais uma consequência da desastrosa retirada do governo Biden do Afeganistão, que deveria acontecer muito mais lentamente, já que os Taliban não deveriam, conquistar todo o país por semanas.

terça-feira, 17 de agosto de 2021

Sem dinheiro

Depois de entregar aos Taliban material militar fornecido pelos EUA numa bandeja de prata graças à retirada malograda do Afeganistão , o governo Biden lutou para privar a organização terrorista de financiamento - congelando as reservas do governo afegão mantidas em contas bancárias dos EUA e impedindo os Taliban de aceder a biliões de dólares mantidos em instituições americanas , de acordo com o  Washington Post , citando duas pessoas familiarizadas com o assunto

A decisão foi tomada pela secretária do Tesouro, Janet Yellen, e funcionários do Escritório de Controle de Activos Estrangeiros do Tesouro . O Departamento de Estado também esteve envolvido nas discussões neste fim de semana, com funcionários da Casa Branca monitorando os acontecimentos. Um funcionário do governo disse num comunicado: "Quaisquer activos do Banco Central que o governo afegão tenha nos Estados Unidos não serão disponibilizados aos Taliban". 

Slavoj Zizek


 "Os 80.000 soldados do Taliban retomaram o Afeganistão com cidades caindo como dominós, enquanto as 300.000 forças do governo, mais bem equipadas e treinadas, na sua maioria derreteram e se renderam sem vontade de lutar. Porque é que isso aconteceu?A mídia ocidental diz que pode haver várias explicações. A primeiro é abertamente racista: o povo afegão simplesmente não é maduro o suficiente para a democracia, eles anseiam pelo fundamentalismo religioso - uma afirmação ridícula, se é que alguma vez existiu. Meio século atrás, o Afeganistão era um país (moderadamente) esclarecido com um forte Partido Comunista conhecido como Partido Democrático do Povo do Afeganistão, que até conseguiu tomar o poder por alguns anos. O Afeganistão tornou-se religiosamente fundamentalista somente mais tarde, como uma reação à ocupação soviética que visava prevenir o colapso do poder comunista.Outra explicação que a mídia nos dá é o terror, já que o Taliban executa implacavelmente aqueles que se opõem à sua política. Outra é a fé: os Taiban simplesmente acreditam que seus actos cumprem a tarefa imposta por Deus e a sua vitória está garantida. Portanto, eles podem ser pacientes porque o tempo está do lado deles. 

Uma explicação mais complexa e realista: os Taliban conseguiram retomar o país tão prontamente é o caos causado pela guerra e pela corrupção em curso. Isso poderia ter causado a crença de que mesmo se o regime do Taliban trouxesse opressão e impusesse a lei islâmica, ao menos garantiria alguma segurança e ordem. No entanto, todas essas explicações parecem evitar um fato básico que é traumático para a visão liberal ocidental. Esse é o desprezo dos Taliban pela sobrevivência e a prontidão de seus combatentes para assumir o “martírio”, para morrer não apenas numa batalha, mas até mesmo em atos suicidas. A explicação de que os talibãs, como fundamentalistas, "realmente acreditam" que entrarão no paraíso se morrerem como mártires não é suficiente, pois falha em captar a diferença entre a crença no sentido de percepção intelectual ("Eu sei que irei para o céu, é um facto ”) e a crença como uma posição subjetiva engajada. 

Em outras palavras, não leva em conta o poder material de uma ideologia - neste caso, o poder da fé - que não se baseia apenas na força de nossa convicção, mas em como estamos existencialmente comprometidos com nossa crença: nós somos não sujeitos que escolhem esta ou aquela crença, mas nós “somos” nossa crença no sentido dessa crença impregnando nossa vida. Em outras palavras, não leva em conta o poder material de uma ideologia - neste caso, o poder da fé - que não se baseia apenas na força de nossa convicção, mas em como estamos existencialmente comprometidos com nossa crença: nós somos não sujeitos que escolhem esta ou aquela crença, mas nós “somos”a  nossa crença no sentido dessa crença impregnando nossa vida. 

Foi por essa característica que o filósofo francês Michel Foucault ficou tão fascinado pela Revolução Islâmica de 1978 que visitou o Irã duas vezes. O que o fascinava ali não era apenas a postura de aceitar o martírio e a indiferença em relação à perda da própria vida; ele estava "envolvido numa narrativa muito específica da 'história da verdade', enfatizando uma forma partidária e agonística de dizer a verdade e transformação por meio de luta e provação, em oposição às formas pacificadoras, neutralizantes e normalizadoras do poder ocidental moderno . Crucial para entender este ponto é a concepção da verdade em ação no discurso histórico-político, uma concepção da verdade como parcial , como reservada para os partidários ”.

Para qualquer pessoa minimamente familiarizada com o marxismo ocidental, a resposta é clara: o filósofo húngaro Georg Lukács demonstrou como o marxismo é “universalmente verdadeiro”, não apesar de sua parcialidade, mas porque é “parcial”, acessível apenas a partir de uma posição subjetiva particular. Podemos concordar ou discordar dessa visão, mas o fato é que o que Foucault buscava no longínquo Irã - a forma agonística (“guerra”) de dizer a verdade - já estava fortemente presente na visão marxista de que ser pego em a luta de classes não é um obstáculo ao conhecimento “objetivo” da história, mas a sua condição.

A queda do império


 "A queda do Afeganistão tem implicações dolorosas para um novo governo - e para as persepções da eficácia do poder dos EUA e do julgamento do líder que o exerce - em todo o mundo, de Washington a Pequim, a Moscovo, às capitais da Europa.

Biden disse à nação ontem: "Eu defendo diretamente minha decisão", mas é difícil imaginar eventos que pudessem destacar mais vividamente a lacuna entre os objetivos americanos e a capacidade de atingir seus objetivos do que a queda incrivelmente rápida de Cabul após duas décadas de militares dos EUA combate e trabalho diplomático, ocorrendo apenas algumas semanas antes do 20º aniversário dos ataques de 11 de Setembro que deram início ao empreendimento.

 Claro que o eco está sendo amplamente difundido. Na Europa, a euforia original entre os aliados mais tradicionais sobre a saída de Donald Trump da Casa Branca é agora comumente temperada pela preocupação sobre se seu sucessor é suficientemente comandante e confiável para restaurar os Estados Unidos como uma força construtiva em um ambiente caótico e interdependente mundo.

Lamento profundamente a queda de Cabul e o retorno dos Talibãs ao poder no Afeganistão”, disse Anders Fogh Rasmussen, ex-primeiro-ministro da Dinamarca e ex-secretário-geral da NATO, ao POLITICO  numa entrevista. “Mais uma vez, quando a América se retrai, os bandidos preenchem o vazio. Devemos ficar extremamente vigilantes sobre o ressurgimento de redes terroristas internacionais em solo afegão sob a vigilância do Talebãs .” (Politico)

sábado, 14 de agosto de 2021

Obama: o vigarista


 O Birtday Bich pelo Trap Becham

 "Scaled Back”, escreveu na Vanity Fair , “A festa de aniversário de Barack Obama é o evento da temporada”. Nem mesmo a famosa Bíblia brilhante dos ricos que não se desculpam parecia certa sobre escrever a festa do aniversário de Obama diretamente ou como uma manchete da Cebola : o que o "Evento da temporada" significava durante uma pandemia?

Um ex-presidente voando com metade das celebridades do mundo para passar três dias numa brincadeira sem máscara uma mansão de $ 12 milhões em Martha's Vineyard,  num momento em que apenas uma proibição federal de despejo evitou a eclosão de uma crise nacional de falta de moradia, já era hora do evento de notícias “Fuck the Optics”, e isso foi antes da curva. Por causa do que até o New York Times chamados de "preocupações crescentes" sobre o quão bruto o megapartido parecia, não menos para o governo Joe Biden, sobrecarregado em pedir à nação um sacrifício sóbrio enquanto seu ex-chefe erguia o telhado com estrelas de cinema em camisetas tropicais, conselheiros prevaleceram sobre o 44º presidente para reconsiderar o bacanal. Mas, caracteristicamente, hilariante, Obama não cancelou a sua festa, Apenas não convidou aqueles que considerava menos importantes, que por acaso eram quase inteiramente seus ex-assessores de maior confiança.

Os expulsos, disse o Times , foram "a maioria dos ex-funcionários do governo Obama ... que geralmente atribuem a si mesmos a ajuda para criar o legado de Obama", incluindo o ex-assessor David Axelrod, que acabara de chamar Obama de "apóstolo da esperança" no Washington Post e assistiu a um documentário de três horas na HBO sobre a garganta profunda de seu ex-chefe. Restando na lista estavam casais de celebridades Chrissy Teigen e John Legend, bem como Dwyane Wade e Gabrielle Union, junto com Steven Spielberg, George Clooney, Tom Hanks, Bruce Springsteen, Questlove, Jay-Z, Beyoncé, Don Cheadle e outros Fabulous Pessoas que bebiam "bebidas alcoólicas de primeira", bufavam estufados e se divertiam no Clube de Golfe Vineyard ( taxa de adesão: $ 350.000). Um relatório inicial de que o Pearl Jam havia sido contratado para se apresentar foi posteriormente refutado. Eddie Vedder simplesmente estaria lá, mas não para jogar.

Há um momento glorioso na vida de certo tipo de político, quando ou porque suas carreiras acabaram, ou porque são tão intocáveis ​​politicamente que não importa mais, que finalmente conseguem tirar a máscara pública, sem trocadilhos. Esta festa Covid foi o "Foda-se!" De Barack Obama momento. Ele estendeu o dedo do meio em todas as direções: para seus vizinhos de Vineyard, o resto da América, Biden, os ex-funcionários parasitas que acumularam anos de semanas de trabalho de cem horas para construir sua carreira alardeada, os não exatamente A-listers saltou no último minuto por não ser famoso o suficiente (desculpe, Larry David e Conan O'Brien!), e assim por diante. Seria difícil não rir imaginando Axelrod lendo que até mesmo Kim Fields "A verdadeira dona de casa de Atlanta" entrou na lista do partido, exceto que Obama dando o empurrão para seus assessores mais devotados (embora também nojentos e gananciosos) é também uma metáfora perfeita para a maneira como ele bateu a porta na cara dos milhões de eleitores comuns que antes acreditavam nele tão desesperadamente.

Obviamente, ficar rico e não se importar mais é um direito de nascença de todo americano. Mas isso não deveria estar no roteiro de Obama, cuja notável virada de calcanhar foi obscurecida pelos anos Trump, que, aliás, foram pelo menos parcialmente sua culpa. Os livros de história e a imprensa ainda fascinada vão deixá-lo patinar nisso, mas não deveriam.

Obama foi criado para ser o maior dos heróis americanos, mas provou ser um vigarista comum e um dos maiores mentirosos políticos de todos os tempos - ele enganou a todos nós. Além disso, sua pós-presidência notavelmente vazia está provando verdade tudo o que Trump disse em 2016 sobre os gananciosos políticos de Washington, cujos únicos motivos são o enriquecimento pessoal, e que fariam qualquer coisa, até mesmo comparecer ao seu casamento, por um dinheirinho. O que Trump queria dizer era que ele, Trump, já era podre de rico, enquanto os políticos só têm uma coisa a vender para obter o status de classe alta que anseiam: nós.

Obama fez isso. Ele nos vendeu, e é hora de começar a falar sobre o papel que ele desempenhou em trazer a confusão cínica sem esperança que é a América moderna" . (Matt Taibbi)

Courtney Barnett


 

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Revistas






 

A mudança do capitalismo


 "O capitalismo hoje está sendo derrubado por um novo modrlo econômico: o tecno-feudalismo.Esta é uma grande afirmação que vem na esteira de muitas previsões prematuras do fim do capitalismo, especialmente da esquerda. Mas desta vez pode muito bem ser verdade. As pistas estão visíveis há algum tempo. Os preços de títulos e acções, que deveriam estar se movendo em direções totalmente opostas, têm disparado em uníssono, ocasionalmente caindo, mas sempre em sincronia. Da mesma forma, o custo de capital (o retorno exigido para possuir um título) deve estar caindo com a volatilidade; em vez disso, tem aumentado à medida que os retornos futuros se tornam mais incertos. Talvez o sinal mais claro de que algo sério está acontecendo tenha aparecido em 12 de Agosto do ano passado. Naquele dia, soubemos  que, nos primeiros sete meses de 2020, a renda nacional do Reino Unido caíu em mais de 20%, muito acima até das previsões mais terríveis. Poucos minutos depois, a Bolsa de Valores de Londres saltou mais de 2%. Nada comparável jamais ocorreu. As finanças foram totalmente dissociadas da economia real.

Mas esses desenvolvimentos sem precedentes realmente significam que não vivemos mais sob o capitalismo? Afinal, o capitalismo já passou por transformações fundamentais antes. Não deveríamos simplesmente nos preparar para a sua última encarnação? Não, acho que não. O que estamos vivenciando não é apenas outra metamorfose do capitalismo. É algo mais profundo e preocupante. O capitalismo passou por transformações radicais pelo menos duas vezes desde o final do século XIX.  A sua primeira grande transformação, de sua aparência competitiva em oligopólio, ocorreu com a segunda revolução industrial, quando o eletromagnetismo deu início às grandes corporações em rede e aos megabancos necessários para financiá-las. Ford, Edison e Krupp substituíram o padeiro, cervejeiro e açougueiro de Adam Smith como os motores principais da história. O ciclo turbulento que se seguiu de mega-dívidas e mega-retornos acabou levando ao crash de 1929, o New Deal e, após a Segunda Guerra Mundial, o sistema de Bretton Woods - que, com todas as suas restrições às finanças, proporcionou um raro período de estabilidade.

O fim de Bretton Woods em 1971 desencadeou a segunda transformação do capitalismo. À medida que o crescente déficit comercial da América se tornou o fornecedor mundial da demanda agregada - sugando as exportações líquidas da Alemanha, Japão e, mais tarde, da China - os EUA impulsionaram a fase de globalização mais enérgica do capitalismo, com um fluxo constante de alemães, japoneses e, mais tarde , os lucros chineses voltam para Wall Street, financiando tudo. Para cumprir o seu papel, entretanto, os funcionários de Wall Street exigiram a emancipação de todas as restrições do New Deal e de Bretton Woods. Com a desregulamentação, o capitalismo oligopolista se transformou em capitalismo financeirizado. Assim como Ford, Edison e Krupp substituíram o padeiro, cervejeiro e açougueiro de Smith, os novos protagonistas do capitalismo foram Goldman Sachs, JP Morgan e Lehman Brothers.mbora essas transformações radicais tenham repercussões importantes (a Grande Depressão, a Segunda Guerra Mundial, a Grande Recessão e a Longa Estagnação pós-2009), elas não alteraram a principal característica do capitalismo: um sistema movido pelo lucro privado e rendas extraídas por meio de algum mercado.

Sim, a transição do capitalismo smithiano para o de oligopólio aumentou desordenadamente os lucros e permitiu que os conglomerados usassem seu enorme poder de mercado (ou seja, sua recém-descoberta liberdade da competição) para extrair grandes rendas dos consumidores. Sim, Wall Street extraía aluguéis da sociedade por meio de formas de roubo à luz do dia baseadas no mercado. Não obstante, tanto o oligopólio quanto o capitalismo financeirizado foram impulsionados por lucros privados impulsionados por rendas extraídas por meio de algum mercado - um controlado pela General Electric ou Coca-Cola, ou criado pelo Goldman Sachs.

 Depois de 2008, tudo mudou. Desde que os bancos centrais do G7 se uniram em Abril de 2009 para usar sua capacidade de impressão de dinheiro para relançar as finanças globais, surgiu uma profunda descontinuidade. Hoje, a economia global é alimentada pela geração constante de dinheiro do banco central, não pelo lucro privado. Enquanto isso, a extração de valor tem cada vez mais se deslocado dos mercados para plataformas digitais, como Facebook e Amazon, que não operam mais como empresas oligopolistas, mas sim como feudos ou propriedades privadas.

Se eu estiver certo, todo programa de estímulo tende a ser, ao mesmo tempo,  muito grande e muito pequeno . Nenhuma taxa de juros será consistente com o pleno emprego sem precipitar falências corporativas sequenciais. E a política de classe em que os partidos que favorecem o capital competem com os partidos mais próximos do trabalho acabou Mas, embora o capitalismo possa terminar com um gemido, o estrondo pode acontecer em breve. Se aqueles que estão recebendo a exploração tecno-feudal e a desigualdade entorpecente encontram uma voz coletiva, ela certamente será muito alta". (Varoufakis)

A press sem ética

"O mais surpreendente sobre o anúncio de Andrew Cuomo nesta semana de que ele está deixando o cargo de governador de Nova York não é que ele deixou o cargo, é que demorou muito para ele renunciar. E entre as partes mais preocupantes da saga interminável está a quantidade de crimes que ele e os políticos de Nova Iorque normalizaram no processo - porque muitos desses funcionários também foram cúmplices. Cuomo renunciou após o relatório do procurador-geral Tish James   detalhando seus crimes sexuais. Mas aqui está a verdade que é difícil de dizer em voz alta: se o governador de Nova Iorque não fosse uma praga sexual, ele provavelmente teria escapado escondendo milhares de mortes de pessoas em asilos e  protegendo  seus doadores do sector de saúde de qualquer responsabilidade - o tempo todo lucrando com um contrato de US $ 5 milhões com um livro e sendo  venerado  por liberais e meios de comunicação corporativos como uma estrela brilhante" . 
"Na verdade, presidir um massacre de idosos e proteger os perpetradores, tudo para se insinuar com os financiadores políticos, agora é apenas política normal. Isso é agora o que os políticos podem - e até se espera - fazer, em qualquer lugar. Enquanto o ex-assessor principal do presidente Biden faz lobby  junto à Casa Branca em nome da indústria de lares de idosos, o Departamento de Justiça de Biden disse recentemente que não abrirá uma investigação sobre negligência em lares de idosos e mortes relacionadas ao COVID em Nova York e outros estados. Caso encerrado".(David Sirota, editot-chefe do Jacobin)
Os jornais portugueses só falam do caso sexual e não do que é realmente importante no caso desta repugnante figura que devia estar presa.

 

terça-feira, 10 de agosto de 2021

O Principe de Nova Iorque

Só agora é que os jornais portugueses se deram conta da sinistra figura que é o governador de Nova Iorque. Só depois do NYT e do Washinghton Post terem noticiado o que já era impossível esconder. Estes jornais corporativos e a CNN onde Chris Cuomo teceu elogios ao irmão nas várias entrevistas que lhe fez, sem qualquer réstea de ética.  "A personalidade e as acções de Andrew Cuomo como governador de Nova Iorque são excepcionalmente repugnantes. Mas uma figura política tão potente e duradoura como Cuomo só poderia ser construída com a ajuda de cada segmento da infraestrutura cívica de NY, de executivos corporativos a membros da legislatura estadual e da media". (Jacobin)
 
É disso que trata O Príncipe: Andrew Cuomo, Coronavirus e a Queda de Nova York , um novo livro do jornalista de esquerda (e colunista Jacobin ) Ross Barkan. Claro, o rosto humano de Andrew Cuomo aparece na capa, e suas 180 páginas animadas estão repletas de cenas da vida e dos tempos do homem que reside (por agora) na mansão do governador. Ele se detém longamente nas patologias - narcisismo e insensibilidade, vingança e vontade de poder - que moldaram a vida e a morte de milhões de nova-iorquinos por mais de uma década. E como lidou ele com pandemia em Nova Iorque. Resumindo: um crime que deveria ser punido.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Cry Macho

O último filme de Clint Westwood que tem 91 anos. É obra!A estreia nos cinemas e via HBO Max acontece em 17 de Setembro,. O filme é baseado no romance homónimo de 1975 de N. Richard Nash .